Teses / Dissertações

Acesso aberto às teses e dissertações do LaboMídia.

Documentos

Ordenar por : Nome | Data | Acessos | [ Descendente ]

29 - Educação e mídia: formação do sujeito em espaço-tempo de educação física 29 - Educação e mídia: formação do sujeito em espaço-tempo de educação física

hot!
Adicionado em: 10/12/2014
Date modified: 12/12/2014
Tamanho: 11.86 MB
Downloads: 2217

RIBEIRO, Sérgio Dorenski Dantas. Educação e mídia: formação do sujeito em espaço-tempo de educação física. 2013. 389 f. Tese (Doutorado em Educação). Programa de Pós-graduação em Educação, Faculdade de Educação (FACED), Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2013

RESUMO  

Estamos em um período histórico em que a cada dia há um “tsunami” - de fabricação e venda - de produtos tecnológicos. Eles chegam ao mercado com a mesma velocidade em que vão embora, ou seja, como se o novo já nascesse com o rótulo de velho. Este contexto envolve também as Tecnologias de Informação e Comunicação (Tic´s) e provoca mudanças significativas na vida das pessoas, nas relações de trabalho e capital, na educação de modo geral e na Formação das pessoas. As inovações tecnológicas ditam uma nova forma de ser e estar no mundo. A velocidade e o “instante já” constituem suas turbinas propulsoras. Tudo tem que ser efêmero; veloz; descartável. Presenciamos também a convergência das Tic´s para um único aparelho móvel que concentra todas as funções de comunicação e midiática. Mas, como a educação está lidando com essas mudanças? Como essas mudanças têm influenciado a vida das pessoas e principalmente dos alunos na escola (pública)? Até que ponto estamos diante de uma sociedade esclarecida? Esta Tese parte da perspectiva de que a Formação se constitui a base para a autonomia e para o esclarecimento a partir das experiências e ações pedagógicas nas aulas Educação Física na escola. Para evidenciar esta premissa, a investigação (de cunho Qualitativo) caracterizada aqui como uma Pesquisa-Formação, provocou a reflexão dos alunos para o esclarecimento a partir da concepção de Educaçãomídia. Estes alunos pertencentes a uma escola pública (CEMB – Colégio Estadual Murilo Braga), na cidade de Itabaiana/SE e matriculada na 8ª Série, turma “A”, do ensino fundamental, desenvolveram experiências como a produção de vídeo e a construção de jornal impresso. Para isto, foi articulado um Grupo (Matrix) – “Multiplicadores” - que cumpriu o papel de apreender, construir e sociabilizar o conhecimento em Educação-mídia. A crítica pertinente ao uso das Tic´s e a produção da Mídia de modo autônomo e esclarecido foram tencionados pelas diversas concepções conceituais, precisamente a Teoria Crítica e a Marxista, a partir de um diálogo permanente com os autores. Entrelaçamos o arcabouço teórico-metodológico na imersão no campo, com isto, a pesquisa esboçou – a partir da crítica dura - os escapes na dinâmica dialética da vida, do uso das Tic´s para emancipação o que fez todos nós (alunos, professores, pesquisadores) subverter a lógica em que nos aprisiona em função da técnica.

Palavras-Chave: Formação; Educação-mídia; Educação Física; Tic´s; Autonomia  

17. OS DISCURSOS SOBRE SAÚDE NA MÍDIA: LIMITES E POSSIBILIDADES DE TEMATIZAÇÃO NA EDUCAÇÃO FÍSICA... 17. OS DISCURSOS SOBRE SAÚDE NA MÍDIA: LIMITES E POSSIBILIDADES DE TEMATIZAÇÃO NA EDUCAÇÃO FÍSICA...

hot!
Adicionado em: 19/06/2012
Date modified: 19/06/2012
Tamanho: 3.15 MB
Downloads: 2225

Angélica Caetano


OS DISCURSOS SOBRE SAÚDE NA MÍDIA: LIMITES E POSSIBILIDADES DE TEMATIZAÇÃO NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

  

Na sociedade e principalmente nas escolas, tornou-se natural à Educação Física aconselhar a prática de atividade física para a promoção da saúde. Essa relação, reforçada pela mídia, assume diferentes significados e requer um olhar mais aprofundado, tendo em vista seu poder na construção de subjetividades. O presente estudo tratou de refletir sobre o discurso midiático a respeito da saúde e atividade física com jovens alunos do Ensino Médio. A investigação partiu da seguinte pergunta-síntese: Quais as possibilidades e limites para a tematização crítica do discurso midiático sobre saúde na Educação Física com alunos do ensino médio? O estudo foi realizado com base em elementos metodológicos da pesquisa-ação e contou com a participação de 22 alunos de uma turma do Instituto Federal de Santa Catarina – Campus São José. A intervenção foi realizada a partir de estratégias de mediação escolar, em conjunto com o professor responsável pela turma. Os dados foram obtidos com registros em diário de campo, filmagens realizadas, textos e mídias produzidas pelos alunos, além de entrevistas. Para a análise dos registros de campo da pesquisa, recorremos a elementos conceituais e metodológicos fornecidos pela Análise Crítica do Discurso (ACD). Os dados foram organizados em quatro eixos de análise: a relação teoria e prática na Educação Física escolar (subdivido em:configurações de um ―praticismo‖ e representações de gênero nas práticas corporais escolares); representações de gênero ligadas à saúde e mídia; o saber médico e as práticas corporais dos alunos e; as ambigüidades presentes nos discursos dos alunos. Como considerações finais, o estudo aponta que a) o ―praticismo‖ encontrado na EF pode apresentar-se como limitante às propostas inovadoras, entretanto, o esforço de uma educação para a mídia não pode ser deixado de lado; b) os alunos expressaram ambiguamente que, ao mesmo tempo em que ainda reproduzem as verdades sobre saúde veiculadas na mídia, conseguem realizar interpretações interessantes sobre os conteúdos veiculados por ela e c) a mídia-educação pode ser associada a qualquer conhecimento da cultura escolar, de forma longitudinal, partindo dos saberes discentes a respeito dos conteúdos veiculados pela mídia.

03 - OS JOGOS PAN-AMERICANOS RIO/2007 E O AGENDAMENTO MIDIÁTICO-ESPORTIVO 03 - OS JOGOS PAN-AMERICANOS RIO/2007 E O AGENDAMENTO MIDIÁTICO-ESPORTIVO

hot!
Adicionado em: 19/06/2012
Date modified: 19/06/2012
Tamanho: 542.42 kB
Downloads: 2243

CRISTIANO MEZZAROBA

OS JOGOS PAN-AMERICANOS RIO/2007 E O AGENDAMENTO MIDIÁTICO-ESPORTIVO: UM ESTUDO DE RECEPÇÃO COM ESCOLARES

Diante da importância crescente atribuída ao esporte na sociedade contemporânea e da participação significativa da tecnologia no processo comunicacional no seu interior, torna-se necessário analisar com um olhar mais aprofundado a relação entre esporte e mídia, tendo em vista seu poder na construção de nossa realidade social, repercutindo na Educação e na Educação Física escolar brasileira. Um momento relevante para a análise destas manifestações foi o da realização dos Jogos Pan-americanos Rio 2007. Desta maneira, esta pesquisa de abordagem qualitativa e de caráter descritiva, caracterizada como um estudo de recepção (de acordo com a Corrente Latino-americana da Sociologia da Comunicação), teve por objetivo analisar como os jovens percebem, compreendem e analisam o agendamento midiático destes Jogos, com possíveis repercussões disso na Educação Física Escolar. A respeito da temática, vêm sendo desenvolvidos diversos estudos sendo que a ênfase geralmente é dada ao pólo emissor (mídia), esquecendo-se dos sujeitos que recebem e ressignificam tais produções (a recepção). Esta foi a intenção da presente pesquisa, ou seja, o considerar os estudantes como sujeitos-receptores, com os quais o professor de Educação Física pode intervir pedagogicamente. A pesquisa de campo foi realizada com alunos de uma escola de Florianópolis, que constituíram um pequeno grupo de discussão/observação, sendo desenvolvida através da coleta de questionários-recordatários e encontros periódicos com o grupo. Também foi utilizado um diário de campo, para registro de observações e outras questões colhidas no campo. Para sistematização e interpretação dos dados, foi adotado o procedimento de análise de conteúdo, o que permitiu relacionar o objeto em estudo com as questões teóricas na forma de categorias, que foram as seguintes: Treinamento e Delegações, Infra-estrutura e Segurança, Variedades, Tocha Pan-americana e Contagem Regressiva. Tais
categorias constituíram-se, neste estudo, na maneira como o agendamento para os Jogos Panamericanos foi empregado pela mídia, sendo percebido e identificado pelos jovens estudantes ao atribuírem significado ao discurso midiático-esportivo. Como considerações finais, em síntese, pode-se observar que: (a) os alunos demonstram ter um contato cotidiano com a mídia esportiva, especialmente a televisão e a internet; (b) os alunos revelaram conhecimento abrangente sobre a realização dos Jogos, especialmente no que se refere ao processo de agendamento midiático; (c) a forma como expressaram sua percepção em relação ao agendamento demonstra a eficácia do discurso midiático-esportivo; (d) revelam também a ausência da mediação escolar, especialmente da Educação Física, no trato pedagógico com o tema. Os achados da pesquisa ratificam as indicações do quadro teórico de referência, no que tange à necessidade do desenvolvimento do processo de mídia-educação no âmbito escolar, a fim de ampliar as compreensões que envolvem a cultura esportiva dos alunos.

09 - DA FÁBRICA AO CAMPO DE FUTEBOL, VENDER TECIDO E VENDER ESPETÁCULO 09 - DA FÁBRICA AO CAMPO DE FUTEBOL, VENDER TECIDO E VENDER ESPETÁCULO

hot!
Adicionado em: 19/06/2012
Date modified: 19/06/2012
Tamanho: 524.74 kB
Downloads: 2300

SÉRGIO DORENSKI DANTAS RIBEIRO

DA FÁBRICA AO CAMPO DE FUTEBOL, VENDER TECIDO E VENDER ESPETÁCULO: tecendo os fios da história de um “Casamento Feliz”

Este estudo analisou o fetiche produzido pela mercadoria esporte, a partir de uma situação concreta: o surgimento de um Clube de Futebol de Fábrica (Associação Desportiva Confiança), na cidade de Aracaju/SE, no ano de 1949. Tendo como matriz teórica (epistemológica) o materialismo histórico, o estudo partiu de um conceito da mercadoria elaborado por Karl Marx, no século XIX e de sua metamorfose, chegando a um bem cultural (como o esporte), que se configura em nosso tempo com o processo de banalização da cultura ou Indústria Cultural. Neste sentido, analisei o esporte em suas várias dimensões na modernidade, em sua forma de rendimento e espetáculo, bem como na aproximação com a mídia, quando esta media seu espetáculo. A relevância social à qual a pesquisa foi submetida, possibilita uma discussão sobre as faces ocultadas pelo fetiche do esporte, pois quando se analisa um fenômeno, perpassando pelas suas bases históricas, políticas, econômicas e sociais, além de tratar da contradição e de interesses antagônicos de ordem do capital, pode-se contribuir para promover uma ampla discussão sobre esse fenômeno nos dias de hoje e sua relação com a formação humana. A partir do método dialético, a investigação teve como opção metodológica, numa perspectiva qualitativa, a caracterização de uma pesquisa histórica. Nos procedimentos para “colheita” dos dados foi inclusa a captura das informações em jornais (mídia impressa) sobre a história da formação do time de futebol da Fábrica, com recortes no período de 1949 a 1970, e entrevistas - semi-estruturadas - com pessoas (cronistas esportivos, diretores do clube, jogadores, jornalistas, operários) que fizeram e fazem a história do clube. A sistematização e a interpretação dos dados (base documental e depoimentos) foram procedidas por meio da análise de conteúdo, a partir de categorias extraídas do próprio campo investigativo. Neste sentido, encontrei subsídios que apontam para o processo de mercadorização do esporte em Aracaju e também do papel da mídia na veiculação do espetáculo esportivo.

16 - MODA/INDUMENTÁRIA EM CULTURAS JUVENIS 16 - MODA/INDUMENTÁRIA EM CULTURAS JUVENIS

hot!
Adicionado em: 19/06/2012
Date modified: 19/06/2012
Tamanho: 2.41 MB
Downloads: 2393

Antonio Galdino da Costa

MODA/INDUMENTÁRIA EM CULTURAS JUVENIS: símbolos de comunicação e formação de identidades corporais provisórias em jovens de ensino médio

Esta pesquisa tem como objetivo compreender a comunicação nas culturas juvenis, expressa por meio dos símbolos da moda/indumentária e adereços no ambiente escolar, levando em conta as questões socioculturais dos alunos, seus diferentes grupos e culturas, que podem ser comunicados em diferentes espaços na escola, também por meio das formas simbólicas. Evidenciar a existência destes grupos nos espaços escolares parece ser de suma necessidade, para que assim a escola possa percebê-los e, quiçá, procurar formas de interação e reconhecimento. É relevante que a escola, como espaço pedagógico, reconheça as diferentes formas de comunicação presentes no cotidiano das culturas juvenis, por meio da moda/indumentária, que é praticamente desconhecida no ambiente escolar, a não ser pela presença do uniforme. Neste sentido, procuramos analisar as questões relacionadas à juventude na perspectiva de um universo mais amplo, como uma categoria sociológica e historicamente construída. A pesquisa pode ser caracterizada como um estudo de observação participante, que se propôs a descrever e interpretar aspectos da comunicação simbólica, expressos na moda/indumentária e adereços,  e sua implicação na constituição de grupos sociais dentro de um recorte específico do cotidiano cultural juvenil (âmbito escolar), a partir de aspectos do método proposto por Thompson (1995), que é a hermenêutica de profundidade. A busca é por elaborar um conhecimento provisório sobre o objeto pesquisado, com a premissa de ampliar e aprofundar o pouco que se sabe sobre o cotidiano juvenil. Os sujeitos da pesquisa são estudantes do Ensino Médio do Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina, Unidade São José. Os procedimentos, instrumentos e técnicas de pesquisa utilizados para a elaboração  do conhecimento, sobre a moda/indumentária nas culturas juvenis foram: a) observação participante; b) fotografia; e c) constituição de grupos focais. As observações foram todas registradas em um diário de campo. Os relatos apurados nos encontros com os grupos,omados com os  registros no diário de campo, a partir de elementos percebidos no cotidiano escolar dos jovens, aliado ainda  ao quadro teórico de referência e ao referencial teórico-metodológico, foram analisados a partir de eixos temáticos apontados como pontos de possíveis investigações e sugerem algumas considerações acerca da temática. O que a pesquisa  aponta é a necessidade de a escola perceber o jovem como sujeito do seu cotidiano, inclusive o escolar, não se limitando a estipular normas e reconhecê-lo simplesmente no espaço/tempo das aulas.