Teses / Dissertações

Acesso aberto às teses e dissertações do LaboMídia.

Documentos

Ordenar por : Nome | Data | Acessos | [ Descendente ]

25 - MEGAEVENTOS ESPORTIVOS, EDUCAÇÃO FÍSICA E  CONVERGÊNCIA DIGITAL 25 - MEGAEVENTOS ESPORTIVOS, EDUCAÇÃO FÍSICA E CONVERGÊNCIA DIGITAL

hot!
Adicionado em: 16/03/2014
Date modified: 07/08/2014
Tamanho: 2.24 MB
Downloads: 1330

Silvan Menezes dos Santos

Resumo

No momento esportivo pelo qual passa o Brasil, de realização de grandes eventos (Pan-Americano/2007; Copa das Confederações/2013; Copa do Mundo de futebol/2014; Olimpíadas/2016), a preocupação com as implicações deles à cultura esportiva do país tornou-se pauta principal de estudos acadêmicos, não sendo diferente na Educação Física. Além disso, o envolvimento histórico e institucional do Esporte com a Mídia em uma relação de reciprocidade, agora hiperdimensionado pela convergência digital dos meios, sobretudo com a crescente participação social na produção e compartilhamento de discursos através das redes sociais, nos levou ao desenvolvimento desta pesquisa. Em um estudo observacional-descritivo com inspiração etnográfica, o objetivo foi compreender como professores de Educação Física em formação inicial interagem com o discurso midiático-esportivo no âmbito da convergência digital. Tendo como contexto sociocultural a Copa das Confederações FIFA, marcado pelas manifestações sociais de rua naquele junho de 2013, o estudo foi desenvolvido com cinco estudantes de diferentes fases do curso de licenciatura em Educação Física da Universidade Federal de Santa Catarina. A investigação aconteceu em dois cenários que se complementaram: 1) online, que consistiu no acompanhamento da página pessoal dos sujeitos da pesquisa no Facebook; 2) offline, com a aplicação de questionários mistos e, por fim, uma entrevista coletiva com os sujeitos. Baseada na Teoria das Mediações Culturais de Jesús Martín-Barbero, a interpretação dos dados da investigação foi apoiada no método de análise de conteúdo. Duas categorias temáticas, definidas a partir do quadro teórico-conceitual, foram empregadas na análise empírica dos dados: Megaeventos Esportivos e Manifestações Sociais. Consideramos como reflexões finais a necessidade do acompanhamento da Educação Física, da formação à intervenção, às constantes transformações socioculturais das tecnologias de informação e comunicação através da convergência digital; estar atento a esse processo, principalmente pelas possibilidades de participação social dos sujeitos através das redes sociais, para fazer aproximações entre as dimensões teóricas e práticas da formação cultural e humana na perspectiva da emancipação e do exercício da cidadania, nesse caso, no contexto da cultura esportiva.

Palavras-chave: Educação Física; Megaeventos Esportivos: Mídia; Mediações; Convergência Digital. 

28 - AS TECNOLOGIAS DIGITAIS NAS ESCOLAS DO CAMPO 28 - AS TECNOLOGIAS DIGITAIS NAS ESCOLAS DO CAMPO

hot!
Adicionado em: 11/08/2014
Date modified: 11/08/2014
Tamanho: 1.78 MB
Downloads: 1378

IRACEMA MUNARIM

Resumo

O objetivo geral desta pesquisa é refletir sobre o papel das tecnologias digitais nas escolas do campo no Brasil contemporâneo, buscando constituir referências iniciais para futuras pesquisas sobre o tema na área da Educação do Campo. As abordagens teóricas propostas na pesquisa refletem sobre uma educação do campo pensada também por quem vive nas zonas rurais: camponeses, quilombolas, trabalhadores empobrecidos, que radicalizam suas ações em busca de condições básicas de sobrevivência, terra, teto, saúde, educação. Ao levar em conta esses “outros sujeitos” (ARROYO), a tese não descola a reflexão sobre educação e tecnologias digitais da crítica a toda uma lógica colonialista de mercado e de ciência predominante na sociedade contemporânea. O trabalho se apoia também nos Estudos Pós-coloniais (QUIJANO; SAID; SANTOS; MENESES), em sua crítica ao eurocentrismo nas concepções de ciência, poder e saber, e nas referências da Educação do Campo no Brasil (ARROYO; CALDART; FERNANDES; MUNARIM). Propõem-se condições para políticas públicas de educação e tecnologias digitais que promovam o exercício da cidadania, a partir dos estudos sobre mídia-educação (BONILLA; OLIVEIRA; BUCKINGHAM; FANTIN;GIRARDELLO; OROFINO; JENKINS; KELLNER; SHARE; RIVOLTELLA; SILVERSTONE; ZANCHETTA JR.). A tese se constituiu a partir de dois diferentes conjuntos de evidências: 1) o que faz referência a sujeitos que vivem no campo, atuam ou refletem sobre as escolas do campo. 2) o que faz referência a dois programas de governo para a “inclusão digital” das escolas do campo: Escola Ativa e Pronacampo. No primeiro conjunto reflete-se sobre visitas a escolas do campo no interior das cidades de Blumenau e Brusque (SC) entrevistas formais e informais com professores e funcionários das secretarias de educação daqueles municípios e também de municípios em vários outros estados que participaram dos módulos de formação do programa Escola Ativa e com ativistas, educadores e pesquisadores ligados ao Movimento Sem Terra, à Licenciatura em Educação do Campo (UFSC) e a escolas do campo de Santa Catarina e Paraná. Evidencia-se neste trabalho a importância de uma educação que proporcione aos professores e estudantes momentos de conhecimento e reflexão sobre as mídias e tecnologias digitais, e de que estes se reconheçam enquanto atores críticos em seus contextos. Avalia-se que as escolas do campo, ao tensionar formas hegemônicas de pensar e fazer a educação, tornam-se um espaço privilegiado para novas experimentações pedagógicas. Conclui-se que é importante problematizar o formato e a ideologia das propostas de inserção de tecnologias digitais nas escolas do campo, considerando em que medida elas apenas têm como foco a melhoria da aprendizagem de uma população supostamente carente de saberes, ou se, por outro lado, além de proporcionar o acesso ao conhecimento produzido pela humanidade, elas propõem espaços de comunicação e criação de redes que fortaleçam as reivindicações dos sujeitos do campo.

Palavras-chave: Escolas do Campo. Mídia-educação. Inclusão digital. Escola Ativa. Pronacampo.

24 - MULTISSENSORIALIDADES E APRENDIZAGENS: USOS DAS TECNOLOGIAS  MÓVEIS PELAS CRIANÇAS NA ESCOLA 24 - MULTISSENSORIALIDADES E APRENDIZAGENS: USOS DAS TECNOLOGIAS MÓVEIS PELAS CRIANÇAS NA ESCOLA

hot!
Adicionado em: 13/03/2014
Date modified: 13/03/2014
Tamanho: 2.09 MB
Downloads: 1416

Lyana Thédiga

Resumo

A presente dissertação busca refletir sobre o entrelaçamento das aprendizagens, multissensorialidades e tecnologias digitais móveis em uma escola participante do Programa Um Computador Por Aluno (Prouca). Tem como objetivo investigar o papel da multissensorialidade, propiciada pelas tecnologias digitais móveis e mediadas pela escola, na construção de aprendizagens e conhecimentos pelas crianças. Para responder à pergunta como as relações multissensoriais estabelecidas pelas crianças com as tecnologias digitais móveis em um contexto escolar constituem “novas aprendizagens” desenvolveu-se uma pesquisa qualitativa com peculiaridades da pesquisa-ação. Amparada em referências da Mídia-educação, em conceitos de Comunicação Orquestral e Nova Comunicação (Gregory Bateson, Yves Winkin), em preceitos das Multiliteracies e Múltiplas Linguagens (New London Group, James Paul Gee, Henry Jenkins, Colin Lankshear e Michelle Knobel, Monica Fantin) e em breves aportes da neurociência (Pier Cesare Rivoltella) foram realizadas observações-participantes e uma intervenção didático-pedagógica com uma turma de crianças na escola. A pesquisa demonstrou que ao ponderar as multissensorialidades – que se realizam no contato com o outro, por meio do diálogo e da relação com o ambiente –, e as novas aprendizagens – entendidas como uma ação ou movimento calcado no saber interagir que suplanta os limites individuais – é preciso pensar para além de um modelo único para a inserção das tecnologias móveis na escola. Implica perceber que a expansão da realidade e das aprendizagens alavancadas pelas tecnologias digitais móveis, estende igualmente sujeitos, pensamentos, atitudes e ambientes. 

 

Palavras-chave: multissensorialidade – aprendizagem – crianças – tecnologias móveis e Prouca – mídia-educação 

31 - CULTURA E TECNOLOGIAS: NETNOGRAFIA COM JOVENS FUTEBOLISTAS 31 - CULTURA E TECNOLOGIAS: NETNOGRAFIA COM JOVENS FUTEBOLISTAS

hot!
Adicionado em: 08/07/2015
Date modified: 08/07/2015
Tamanho: 1.69 MB
Downloads: 1425

Ângelo Luiz Brüggemann

Resumo

O futebol no Brasil além de ser uma prática hegemônica é também um símbolo da cultura e identidade nacional, isso não se dá somente pela frequência que ouvimos falar sobre o esporte nos meios de comunicação, mas também por estar inserido mesmo que involuntariamente no nosso dia a dia, por exemplo nas conversas, nas atitudes e nas expressões de linguagens advindas do futebol. Esta ligação da sociedade brasileira com o futebol é mantida e difundida, principalmente, pela figura dos jogadores, pois são eles que mantêm acesa a alegria e o desejo de consumir esta prática cultural, através de suas jogadas dribles e modos de agir. No contemporâneo, estes atores sociais têm conseguido manter a atenção dos aficionados mesmo quando não estão jogando, através do espaço aberto pelas redes sociais. Ao observar esta nova realidade e também o aumento do desejo dos jovens em jogar futebol no exterior que surgiu a vontade de compreender como os jovens futebolistas interagem em seus perfis nas redes sociais com o intuito de manter contato com a cultura brasileira. Como forma de identificar e interpretar essa realidade que realizamos uma netnografia com jovens futebolistas, entre 18 e 24 anos, que exercessem sua profissão no continente europeu. A netnografia foi realizada durante quatro meses (maio, junho, julho e agosto) de 2014 ao que destacamos, que durante este período foram acompanhados nove jovens em 4 países diferentes (Alemanha, Áustria, Finlândia e Itália). Como resultado deste acompanhamento identificamos quatro categorias com maior representatividade nas interações dos futebolistas pesquisados que são: Família, Religiosidade, Linguagem e Hábitos e consumo cultural, e foi através destas que desenvolvemos nossas interpretações através do diálogo entre teoria e campo. Isso nos possibilitou perceber que os jovens futebolistas têm utilizado as redes sociais, não para algo novo, mas sim como uma ferramenta para reproduzir o que já acontecia, fazendo com que o mundo virtual (on line) seja uma continuação do mundo real (off line).

Palavras-chave: jovens futebolistas; redes sociais; cultura/identidade; netnografia.

06 - O PRIMEIRO OLHAR 06 - O PRIMEIRO OLHAR

hot!
Adicionado em: 19/06/2012
Date modified: 19/06/2012
Tamanho: 2.02 MB
Downloads: 1508

Márcio Romeu Ribas de Oliveira

O PRIMEIRO OLHAR: Experiência com Imagens na Educação Física Escolar

A presente pesquisa teve como objetivo propor e refletir sobre a inserção de meios técnicos na produção de imagens no âmbito da Educação Física escolar, partindo do princípio que seus atores se percebem envolvidos no cenário da cultura mediatizada. É indiscutível a importância da produção midiática na sociedade contemporânea, como uma das suas principais linguagens, mas ainda de pouca relevância no ambiente escolar. È através das diversas mídias que nos informamos/comunicamos na vida cotidiana. No prisma cultural, elas produzem signos, sentidos e significados na maneira do ser humano perceber, sentir e ver os outros e o mundo. No campo da Educação Física, se observam manifestações da relação dialética entre a cultura de movimento e o discurso midiático. Desse contexto é que partimos para investigar a problemática, percebendo-a como um elemento articulador entre a literatura pertinente ao tema e a realidade cotidiana no espaço escolar. O campo de pesquisa materializou-se através de Oficina de Experiências no Olhar, que foi realizada com estudantes do ensino fundamental público da escola Porto do Rio Tavares, no sul da ilha, em Florianópolis. Os registros e a produção foram: experiências na conversa (entrevistas), experiências no olhar e no olhar em movimento (fotografia e vídeo), experiências no escrever (diário de campo). Esses materiais tiveram uma dupla função: como forma do professor-pesquisador se relacionar com o campo e de investigar os sujeitos da pesquisa, constituindo assim um elemento científico-educativo do processo da pesquisa.