Teses / Dissertações

Acesso aberto às teses e dissertações do LaboMídia.

Documentos

Ordenar por : Nome | Data | Acessos | [ Descendente ]

41 - EDUCAÇÃO (FÍSICA) NA CULTURA DIGITAL: FORMAÇÃO CONTINUADA COM PROFESSORES DE ESCOLAS PÚBLICAS DE SANTA CATARINA NA MODALIDADE EAD 41 - EDUCAÇÃO (FÍSICA) NA CULTURA DIGITAL: FORMAÇÃO CONTINUADA COM PROFESSORES DE ESCOLAS PÚBLICAS DE SANTA CATARINA NA MODALIDADE EAD

Adicionado em: 17/06/2019
Date modified: 17/06/2019
Tamanho: 3.16 MB
Downloads: 28

SILVEIRA, Juliano. EDUCAÇÃO (FÍSICA) NA CULTURA DIGITAL: FORMAÇÃO CONTINUADA COM PROFESSORES DE ESCOLAS PÚBLICAS DE SANTA CATARINA NA MODALIDADE EAD. 2018. 365 f. Tese (Doutorado) - Curso de Educação Física, Centro de Desportos, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2018.

 

40 - O processo de produção de notícias dos Jogos Paralímpicos 2016 40 - O processo de produção de notícias dos Jogos Paralímpicos 2016

hot!
Adicionado em: 11/09/2018
Date modified: 03/10/2018
Tamanho: 2.13 MB
Downloads: 345

 

SANTOS, S. M. DOS. O processo de produção de notícias dos Jogos Paralímpicos 2016: rotinas, critérios e valores do jornalismo esportivo paraolímpico. 2018. 289 f. Tese (Doutorado em Educação Física) -  Programa de Pós-graduação em Educação Física, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2018.

32 - ENSINAR-APRENDER CINEMA: ATRAVÉS DA PERCEPÇÃO E COGNIÇÃO INCORPORADAS 32 - ENSINAR-APRENDER CINEMA: ATRAVÉS DA PERCEPÇÃO E COGNIÇÃO INCORPORADAS

hot!
Adicionado em: 13/04/2016
Date modified: 12/09/2016
Tamanho: 1.91 MB
Downloads: 872

Rodrigo Duarte Ferrari

RESUMO

O ensino-aprendizagem do cinema através da percepção e da cognição incorporadas é o foco desta pesquisa teórica e aplicada. A partir de uma revisão teórica multidisciplinar da dimensão reflexiva dos mecanismos e fenômenos perceptivos e cognitivos observamos que as incorporações constituem uma dimensão pré-reflexiva que amplia as possibilidades e limites do ensino- aprendizagem do cinema. Como desdobramento da revisão teórica, construímos um mapa conceitual que apresenta a percepção e a cognição incorporadas como mecanismos e fenômenos de perceber e conhecer através do corpo e da corporeidade. Tanto as teorias do cinema quanto as da educação com e sobre o cinema foram construídas hegemonicamente a partir da dimensão reflexiva da percepção e da cognição, sobretudo, sob influências da semiótica, psicologia e psicanálise, com a centralidade dos processos de ensino-aprendizagem na dimensão simbólica de leitura e escrita do cinema. Com a intenção de complementar tal dimensão realizamos um experimento e colocamos as incorporações no centro do ensino-aprendizagem do cinema, resultando na criação da Oficina KINO - http://kino.sites.ufsc.br/, uma proposta experimental como possibilidade para analisar e refletir sobre a dimensão pragmática do ensino-aprendizagem do cinema através das incorporações. Convidamos cinco professores/pesquisadores que atuam com cinema na educação para participar da oficina e observamos que, apesar da razoabilidade do mapa conceitual da percepção e cognição incorporadas, é necessário maiores esforços explicativos e interpretativos sobre as incorporações, haja vista que estas reflexões permanecem em aberto tanto nas ciências cognitivas quanto na filosofia. Com a sistematização teórica realizada foi possível identificar que há uma reversibilidade de incorporações entre os espectadores e a equipe de produção cinematográfica. Do ponto de vista didático, a proposta da Oficina KINO permitiu que as reversibilidades de incorporações fossem vivenciadas como entrelaçamentos entre os videntes e os visíveis, na recepção e recriação do visível de filmes. Observamos que as incorporações devem ser seguidas por reflexões sobre as incorporações e dessa forma foi possível articular as dimensões pré-reflexivas e reflexivas do ensino- aprendizagem do cinema. Esta pesquisa apresenta um ponto de partida sistematizado para que a dimensão pré-reflexiva do ensino-aprendizagem do cinema possa ser articulada na educação com e sobre o cinema.

Palavras-chave: ensino-aprendizagem; cinema; percepção e cognição incorporadas. 

34 - SENSIBILIDADE NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR: EXPERIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO FÍSICA 34 - SENSIBILIDADE NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR: EXPERIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO FÍSICA

hot!
Adicionado em: 20/05/2016
Date modified: 12/09/2016
Tamanho: 1.18 MB
Downloads: 949

FIAMONCINI, Luciana. SENSIBILIDADE NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR: EXPERIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO FÍSICA. 2016. 139 f. Tese (Doutorado) - Curso de Educação Física, Centro de Desportos, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015.

RESUMO

Este trabalho buscou refletir sobre o desenvolvimento da sensibilidade na formação acadêmica do professor de Educação Física. O estudo se justifica pela necessidade do professor de Educação Física em formação desenvolver sua sensibilidade, tanto como experiência pessoal, quanto como docente. Para tanto, adentrou-se no campo dessa investigação que, teve como foco, o curso de formação de professores (licenciatura) de Educação Física, da UFSC. A pesquisa também abrangeu o estudo do currículo do curso, por meio de seus documentos legais. Deste modo, realizei uma observação participante nas disciplinas de Estágio Supervisionado em Educação Física Escolar I e II, que acontecem na 6ª e 7ª fases do curso, acompanhando todas as etapas das mesmas e, atuando junto aos estagiários, como uma interlocutora a mais. Entendo que, ao observar e estudar o estágio, estuda-se também o currículo do curso, pois o mesmo se expressa por meio do estagiário, que apresenta um retrato do currículo em desenvolvimento. Ao total, foram sete estagiários acompanhados na pesquisa, com os quais pude problematizar e refletir sobre o tema da sensibilidade a partir das situações que se apresentaram. Durante a observação foram realizados registros no diário de campo e, ao final do período de estágio, realizei entrevistas com os alunos-estagiários. A partir dos dados produzidos durante a pesquisa, iniciei as análises pela leitura dos documentos selecionados, visando interpretar indicações sobre a temática. Os demais dados produzidos na observação participante, como os registros de diário de campo, os documentos produzidos pelos estagiários e as entrevistas realizadas, foram interpretados a partir da análise de conteúdo, conforme Bardin (2009). A partir da categorização foram identificados quatro momentos principais: o primeiro aborda o tema da sensibilidade no que se refere a sua compreensão e contexto de abordagem; o segundo versa sobre o se-movimentar, entendido como um diálogo sensível com o mundo pelo movimento; o terceiro refere-se à formação humana e profissional na perspectiva da Bildung, que se relaciona à ideia do autodesenvolver-se, que não pode se dar apenas com a educação formal; e o quarto discute a formação do professor sensível, tendo como foco o estágio. Essas categorias, desenvolvidas num diálogo entre os dados produzidos no campo e a literatura pertinente, deram origem aos capítulos desta pesquisa. A partir destes, o estudo apontou como possíveis considerações finais: a) a sensibilidade se manifesta na vida vivida de modo solidário, no respeito, na empatia e na relação, assim como o que conhecemos têm origem nos sentidos; b) as implicações da formação docente voltada à sensibilidade foram maiores em relação à percepção e compreensão do aluno, ao entendimento do aluno que se movimenta enquanto realiza um diálogo com o mundo; c) o desenvolvimento do currículo apontou que a sensibilidade não tem sido muito presente, a não ser em alguns momentos de algumas disciplinas; d) foram mencionadas a disciplina de dança e as que trabalham com a questão da deficiência; e) o curso ajudou a desenvolver mais a sensibilidade no aspecto pessoal do que como professor e, ainda, que os estágios são momentos privilegiados de contato dos acadêmicos com os alunos; nestes, a sensibilidade talvez se dê já no primeiro momento de contato com o aluno, em que o estagiário busca se perceber como professor na escola.

36 - QUANDO O ESPORTE-DA-MÍDIA VENDE SONHOS E DESEJOS: PUBLICIDADE E INFÂNCIA NA COPA DO MUNDO DA FIFA 2014 36 - QUANDO O ESPORTE-DA-MÍDIA VENDE SONHOS E DESEJOS: PUBLICIDADE E INFÂNCIA NA COPA DO MUNDO DA FIFA 2014

hot!
Adicionado em: 22/08/2016
Date modified: 12/09/2016
Tamanho: 3.14 MB
Downloads: 966

LISBÔA, Mariana Mendonça. QUANDO O ESPORTE-DA-MÍDIA VENDE SONHOS E DESEJOS: PUBLICIDADE E INFÂNCIA NA COPA DO MUNDO DA FIFA 2014. 2016. 225 f. Tese (Doutorado) - Curso de Educação Física, Centro de Desportos, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2016.

RESUMO

A pesquisa teve como objetivo compreender o discurso publicitário relacionado à infância, tendo como pano de fundo a Copa do Mundo da FIFA - 2014, para refletir sobre suas (re)significações na cultura esportiva das crianças e possíveis implicações para a educação física escolar. Neste sentido, investigaram-se os nexos entre as intenções e estratégias do discurso publicitário esportivo e as interpretações das crianças escolares, reveladoras de desejos, consumos, práticas e sonhos em relação ao esporte. Em uma perspectiva qualitativa e embasado em preceitos da mídia-educação, o trabalho se caracterizou como um estudo descritivo. O corpus de análise foi constituído por: 14 anúncios de televisão e suas narrativas transmídias; e documentos (registros em diário de campo, questionário, gravações em vídeo e de áudio, desenhos, produções midiáticas) produzidos em uma Oficina Temática com crianças do 5º ano do Ensino Fundamental, de uma escola pública e Florianópolis/SC. A interpretação dos dados, por meio da análise de conteúdo, identificou três eixos de reflexão: i) Integração e mediações diante da mídia/TIC; ii) Negação e envolvimento com a publicidade: linguagens, recursos e consumos; iii) O esporte-publicitário-interativo: patrocínios, representações e desejos. Do contexto de análise identificamos um novo recurso/formato híbrido do conteúdo esportivo midiatizado, que denominamos de esporte-publicitário-interativo, derivado da articulação da comunicação persuasiva com o entretenimento, que explora as narrativas transmidiáticas e propõe a interatividade, inclusive para as crianças. A publicidade no/do esporte promove a mercadorização da cultura esportiva, com destaque para o poder conferido ao patrocinador privado, e em prejuízo a garantia pública do esporte como direito dos cidadãos. Como possibilidade da mediação escolar perante a semicultura esportiva conduzida pela publicidade, destaca-se a autorreflexão como experiência formativa, no confronto com o real contraditório e heterônimo, que necessita do resgate permanente da dimensão crítica nas práticas de mídia-educação.